Autodiagnóstico

Para descobrir qual o tratamento mais indicado para você veja no diagrama o que se parece mais com sua calvície. Você também encontrará sugestões de tratamento para cada caso.

tipo1Tipo 1

É um tipo em que ainda não há áreas com perda de volume ou calvas. Mas se o visual do seu cabelo já esta lhe incomodando e a quantidade está aparentemente se tornando insuficiente, voce poderá simplesmente submeter-se a um tratamento clínico, com medicações orais e tópicas; além de aplicações no couro cabeludo. O objetivo é desacelerar a queda dos cabelos e e manter o volume atual até que haja indicação para um transplante de cabelos.

tipo2Tipo 2

Nessa fase ocorre a retração da linha frontal e também uma rarefação dos cabelos na área das “entradas” ocorre nesta fase. O tratamento clínico é importante mas já pode ser realizado uma sessão pequena de transplante.

tipo2aTipo 2A

Médiasessão. A retração frontal é evidente, com a perda dos cabelos da linha anterior. O tratamento clínico com medicamentos tópicos e orais são necessários para inibir a queda dos cabelos. O transplante é a solução para refazer a linha frontal naturalmente com as técnicas F.U.E. Robotic, Manual FUE ou FUT.

tipo3Tipo 3

As “entradas” estão mais pronunciadas e o “topete” menos denso. Os tratamentos clínicos devem ser iniciados, mas o primeiro transplante já pode ser decidido para a restauração desta área.

tipo3aTipo 3A

A retração frontal está mais acentuada e a região frontal (testa) fica muito alta e grande, perdendo o equilíbrio estético da face. O transplante é a solução para refazer a linha frontal naturalmente com a técnica F.U.E. Robotic ou Manual FUE.

tipo4Tipo 4

Além da retração frontal e das “entradas” bem evoluídas, a coroa também demonstra redução ou ausência dos cabelos. A reposição destas áreas através do transplante é importante para eliminar as regiões calvas ou semi-calvas. O tratamento clínico não deve ser descontinuado.

tipo4aTipo 4A

Nessa fase a calvície já está bem marcada. A coroa fica calva, bem delimitada e aparente. A região frontal também acentua a parte calva. A quantidade de cabelos perdidos é grande e as áreas calvas estão bem definidas. O transplante pode restaurar as duas áreas (frontal e coroa) de forma menos densa ou então, nessa primeira cirurgia a parte frontal com mais densidade e a segunda cirurgia com mais densidade na parte posterior ou vice-versa.

tipo5Tipo 5

A calvície frontal já começa a se interligar com a coroa. Uma pequena faixa de cabelos finos e de baixo crescimento permanece na região superior da cabeça (vertex), separando a coroa da região frontal. Tratamentos clínicos ainda podem ser mantidos se houver uma quantidade razoável de cabelos naturais. O transplante é a solução para reverter a calvície que vai se tornando total.

tipo4aTipo 5A

A situação anterior evoluiu ainda mais com a perda dos cabelos também na parte superior da cabeça. Uma penugem ou fios miniaturizados remanescentes ainda podem ser vistos. Um transplante abrangente poderá cobrir toda a área e o indivíduo deixa de ser calvo, mas com baixa densidade. Uma segunda cirurgia pode ser preparada no futuro para maior densidade. Nesta fase o tratamento clínico não tem qualquer eficácia.

tipo7Tipo 6

A parte superior da área calva já evoluiu totalmente ligando a coroa com a região frontal que fica mais larga. A calvície já é total e o transplante é a única indicação. Nesse grau a capacidade e a qualidade da área doadora começam a ser avaliada para a definição da melhor estratégia cirúrgica, dependendo da oferta de área doadora e do desejo do paciente. Nesta fase o tratamento clínico pode ser descontinuado pois praticamente não há cabelos na área afetada pela herança genética.

tipo7Tipo 7

Devido a extensão da área calva a região doadora vai ficando cada vez mais reduzida. A área doadora é analisada quanto à sua capacidade de doação e de densidade para possibilitar uma megasessão de transplante ou então para uma cirurgia parcial.

tipo8Tipo 8

Nesse caso nem sempre é possível realizar o transplante com a quantidade de enxertos necessários para uma cobertura completa da área calva. A capacidade da área doadora, está bem reduzida nesta fase, impossibilitando uma megasessão. A quantidade de enxertos vai variar de acordo com o que foi possível colher na área doadora.