Com a técnica Manual FUE ficou descomplicado fazer o transplante em pequenas áreas como: sobrancelhas, bigode, costeleta, cílios e cicatrizes no couro cabeludo devido a acidentes, traumas ou sequelas cirúrgicas, principalmente de plásticas na face. A maioria desses casos é solucionada rapidamente com uma ou duas sessões de Manual FUE, de forma minimamente invasiva, sem cortes, pontos e cicatrizes. Com anestesia local e sem necessidade de sedação ou internação.

Cirurgias antigas com aspecto de “cabelo de boneca” ou atuais, mas com resultados grosseiros ou inestéticos por algum motivo, podem facilmente ser reparadas com sucesso com a Manual FUE, que recuperará a estética natural dos cabelos. Pacientes com área doadora insuficiente e impossibilitados de realizar um transplante capilar com a técnica FUT (Strip), têm maiores chances com a técnica  Manual FUE, porque podemos colher isoladamente Unidades Foliculares que o indivíduo dispõe na sua área doadora rala.

Aqueles pacientes que já realizaram mais de uma cirurgia com a técnica FUT ou pela técnica de “punchs” (foto ao lado) e que apresentam várias cicatrizes na área doadora, o que impediria uma nova sessão para alguma complementação ou acabamento das cirurgias posteriores, têm possibilidade de realizar o transplante pelo método Manual FUE, porque nesta cirurgia a coleta das Unidades Foliculares na área doadora é individual e não gera mais cicatrizes, permitindo inclusive a colheita de cabelos entre as cicatrizes existentes.

Com o método Manual FUE podemos também maximizar o número de enxertos de um procedimento realizando uma cirurgia híbrida. Ou seja, conseguimos com o segmento da técnica FUT um determinado número de enxertos, mas que é insuficiente para totalizar a quantidade de “mudas” necessárias para solucionar uma determinada calvície. Então, associamos a técnica Manual FUE para conseguirmos mais uma quantidade adicional de enxertos viabilizando assim o projeto de cobertura total das áreas calvas. A técnica Manual FUE é realizada logo acima e abaixo da sutura deixada pela técnica FUT.

Sobrancelha

Atualmente, tanto homens como mulheres, com perda parcial ou total de sobrancelhas, podem recuperá-las através do transplante capilar. É um procedimento seguro, eficaz, minimamente invasivo e capaz de restaurar as sobrancelhas em um único procedimento.

As sobrancelhas exercem uma função dupla de proteção e embelezamento dos olhos, proporcionando simetria e equilíbrio à face. A perda parcial ou total das sobrancelhas pode produzir uma profunda mudança no olhar e pode também ter um efeito devastador para a autoestima.

O que causa a perda ou alteração das sobrancelhas?
  • Depilação ou arrancamento com pinças para definir a forma: quando excessivas, podem levar a perda permanente das sobrancelhas (é provavelmente a principal causa);
  • Doença sistêmica ou local;
  • Trauma físico, como acidentes ou queimaduras;
  • Arrancamento por distúrbio obsessivo-compulsivo (tricotilomania);
  • Tratamentos médicos ou cirúrgicos como quimioterapia, radioterapia, remoção de tumores;
  • Alopecia areata, que é uma condição dermatológica comum, de origem genética e imunológica.

A maioria das situações acima descritas podem ser tratadas com o transplante capilar Manual FUE (Follicular Unit Extraction) para a zona das sobrancelhas. As doenças sistêmicas ou locais responsáveis pela perda das sobrancelhas deverão estar controladas para assegurar o sucesso do transplante. O arrancamento compulsivo (tricotilomania) também deverá ser tratado para assegurar que o transplante seja definitivo.

A restauração das sobrancelhas é um procedimento minimamente invasivo e que normalmente requer uma única sessão.

A anestesia é local e a zona doadora é o couro cabeludo do próprio paciente.

Para a zona das sobrancelhas são transplantadas apenas unidades foliculares com 1 ou 2 fios de cabelos, o que é muito importante para garantir a naturalidade do resultado. Os ângulos das incisões são meticulosamente realizados, de modo a permitir um crescimento praticamente paralelo à pele.

Barba, bigode e costeleta

O transplante capilar para a zona da barba ou bigode pode ser feito em homens a partir dos 20 anos de idade, altura em que os hormônios sexuais já atingiram o seu nível normal.
Este tipo de procedimento é indicado para homens que queiram deixar crescer a barba num estilo “barba por fazer”, mas que apresentam falhas ou mesmo ausência de pelos nessas regiões. A reconstrução das zonas da barba e bigode pode ser feita em qualquer homem que tenha zona doadora (cabelos na cabeça).

A cirurgia é feita sob anestesia local, e os cabelos são extraídos um a um da zona lateral e/ou posterior da cabeça, através da técnica Manual FUE (Extração de Unidades Foliculares). No dia da cirurgia, a pele do rosto poderá ficar vermelha e com algum inchaço, mas após uma semana, o aspeto já será normal e sem cicatrizes.

Não há dor durante a cirurgia ou no período pós-operatório. Após 15 dias, o paciente já poderá barbear-se normalmente. Os fios transplantados poderão cair a partir da terceira semana e retomarão o seu crescimento após 3 a 4 meses. O resultado final do transplante poderá ser observado entre o 10º e o 12º mês pós cirurgia.

 

Reparações

Reparação do “cabelo de boneca”

Os transplantes capilares efetuados pelo método “punch” proporcionavam um resultado com aspecto muito artificial, semelhante ao cabelo de boneca (foto ao lado). Hoje em dia, é possível efetuar a reparação desses casos colocando novos cabelos em volta dos existentes, alterando completamente o aspecto visual do cabelo, removendo esses tufos e realizando um novo transplante com as técnicas atuais sem deixar cicatrizes no local onde havia os punchs.

Correção de cicatrizes

É normal o aparecimento de cicatrizes após acidentes, plástica facial (lifting) e também no implante capilar pelo método FUT, quando ele não é realizado em condições adequadas . Algumas vezes essas cicatrizes podem ser visíveis porque os cabelos do local não são suficientes para encobrir ou camuflar a cicatriz, o que gera enorme desconforto e descontentamento ao indivíduo.

Se a cicatriz estiver localizada em zona de pelos ou cabelos, é possível a sua camuflagem por meio do transplante capilar na área calva da cicatriz pela técnica Manual FUE. São escolhidas unidades foliculares de 2, 3 ou 4 fios para se conseguir maior cobertura. Normalmente são necessárias duas sessões de transplante para uma boa resolução do problema.

Cicatrizes decorrentes de doenças inflamatórias e autoimunes não têm indicação para transplante capilar. A cicatriz deve ser avaliada previamente pelo médico profissional para ver se há circulação adequada para evitar a perda dos enxertos, além de outros fatores.